End: Rua Tocantins, 2265, Centro, 85501-272 - Pato Branco, PR
Tel: (46) 3225-6000 - secretaria@paroquiasaopedropb.com.br

Horários: Seg a Sex: 8h às 11h30 e das 13h30 às 17h30, Sáb: 8h às 11h30.

Notícias da Paróquia › 13/03/2019

Missa de Ação de Graças

No ultimo domingo dia 10/03, na Missa celebrada as 8hs da manhã foi apresentado a comunidade a nova equipe que compõe o conselho econômico da matriz.

Durante a celebração, foram apresentados os casais que com coragem e fé assumem este compromisso de conduzir os trabalhos na matriz São pedro.

Ao término, Leila Zanini coordenadora do novo conselho, fez uma homenagem a equipe anterior e crianças vestidas de franciscanos entregaram uma lembrança a cada casal.

Frei Alex convidou toda a comunidade para que juntos invocassem a benção do Senhor ao novo conselho.

O novo conselho assume os trabalhos por dois anos, é composto pelos casais: Leila Aparecida Zanini e Andrei Junior Zacharczuk como Coordenadores, Peter Denardi e Greice Denardi como Vice-Coordenadores, Ildefonso Trombetta e Cristiane Mesomo Trombetta como Tesoureiros; Lucimar Biesek e Lauro Biesek como Vice-Tesoureiros; Gracielle Gabaldo e Glauco Gabaldo Secretários, Adão dos Santos, Cirlei dos Santos como vice-secretários, Edemar Catuzzo e Rosangela Catuzzo, como Conselheiros.

Por que a paróquia necessita do conselho econômico?

Para a correta administração dos bens eclesiásticos, o Código de Direito Canônico estabelece elementos básicos que configuram a organização econômica de toda pessoa jurídica eclesiástica: a exis­tência de um administrador próprio (cân. 1279), e de um conselho de assuntos econômicos.

conselho de assuntos econômicos paroquial é constituído como órgão consultivo e de assessoramento ao pároco.

É de constituição obrigatória (cân. 537; 1280), seu funcionamento é determinado pelas normas diocesanas e suas funções são determinadas pela legislação universal e, sobretudo, pela legislação particular.

O Código de Direito Canônico estabelece a constituição de uma série de organismos de caráter eminentemente consultivo dos quais destacamos o conselho paroquial, visto anteriormente, e o conselho de assuntos econômicos como organismos de representação co-par­ticipação dos cristãos na administração paroquial.

O conselho de assuntos econômicos é um organismo que pre­tende ser o verdadeiro elo de ligação através do qual se efetiva a co-responsabilidade dos fiéis na administração dos bens temporais da paróquia. Integram-no o pároco, que o preside e é o responsável pela administração econômica da paróquia, e fiéis, designados em número e na forma prescrita pelas normas diocesanas. O referido conselho tem por função prestar ajuda ao pároco na administração dos bens paroquiais.

As funções do conselho de assuntos econômicos, a teor do direito universal (cân. 119; 127; 1292 § 4) da Igreja e salvo as que a própria legislação particular lhe concede, são as seguintes:

1. elaborar o plano administrativo e das necessidades econômico-financeiras da paróquia, a curto e longo prazo;

2. elaborar a previsão orçamentária (cân. 493; 1284 § 3);

3. programação dos investimentos e das obras paroquiais;

4. supervisão das atividades econômicas, da execução do plano administrativo e do orçamento e da contabilidade através dos balanços e/ou balancetes e demonstrativos das contas de re­sultado;

5. promover a colaboração dos paroquianos para as necessidades econômico-financeiras da paróquia;

6. emitir parecer sobre a necessidade e/ou oportunidade de alienar bens eclesiásticos pertencentes à paróquia;

7. outros encargos que o direito particular lhes atribuir.

O conselho de assuntos econômicos da paróquia deve intervir:

a) com seu assessoramento nos atos de maior importância, dando o seu parecer, no que tange à situação econômica da paróquia;

b) com seu consentimento nos atos de administração extraordinária, principalmente na alienação de bens da paróquia.

O pároco é sempre o titular, à semelhança do que ocorre com o Bispo diocesano na diocese, o que representa a paróquia em todos os seus negócios jurídicos e sobre ele se impõe o dever de cuidar que os bens paroquiais se administrem segundo a legislação eclesiástica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *