End: Rua Tocantins, 2265, Centro, 85501-272 - Pato Branco, PR
Tel: (46) 3225-6000 - secretaria@paroquiasaopedropb.com.br

Horários:

Notícias › 08/03/2018

Mulheres ganham menos que homens mesmo com ensino superior

De acordo com uma pesquisa divulgada ontem, quarta-feira, 7, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), intitulada “Estatísticas de Gênero: Indicadores Sociais das Mulheres no Brasil, as mulheres”, as mulheres ainda ganham menos que os homens, mesmo estando em maior número entre as pessoas com ensino superior.

Em 2016, enquanto o rendimento médio mensal dos homens era de R$2.306, o das mulheres era de R$ 1.764. Considerando-se o rendimento médio por hora trabalhada, ainda assim, as mulheres recebem menos do que os homens (86,7%). Isto que pode estar relacionado à segregação ocupacional a que as mulheres podem estar submetidas no mercado de trabalho. O diferencial de rendimentos é maior na categoria ensino superior completo ou mais, em que o rendimento das mulheres equivalia a 63,4% do que os homens recebiam, em 2016.

Ainda sobre a diferença de escolaridade, as mulheres atingem em média um nível de instrução superior ao dos homens. A maior diferença percentual por sexo encontra-se no nível “Superior completo”, especialmente entre as pessoas da faixa etária mais jovem de 25 a 44 anos de idade, em que o percentual de homens que completou a graduação foi de 15,6%, enquanto o de mulheres atingiu 21,5%, indicador 37,9% superior ao dos homens.

Foi constado, porém, desigualdade entre as mulheres por cor ou raça. O percentual de mulheres brancas com ensino superior completo (23,5%) é 2,3 vezes maior do que o de mulheres pretas ou pardas (10,4%) e é mais do que o triplo daquele encontrado para os homens pretos ou pardos (7,0%).

Representatividade política

A pesquisa revelou ainda que em dezembro de 2017, o percentual de mulheres parlamentares no Congresso Nacional era de 11,3%, 16% no Senado e 10,5% na Câmara dos Deputados. E três estados brasileiros não tinham nenhuma deputada federal: Paraíba, Sergipe e Mato Grosso.

De acordo com o IBGE, em 2017 o Brasil ocupava a posição de número 152 entre os 190 países que informaram à Inter-Parliamentary Union o percentual de assentos em suas câmara de deputados ocupados por mulheres parlamentares em exercício. Na América do Sul, o Brasil mostrou o pior resultado. No mundo, as mulheres ocupavam, em média, 23,6% dos assentos nas câmaras de deputados.

Por Canção Nova, com Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *