End: Rua Tocantins, 2265, Centro, 85501-272 - Pato Branco, PR
Tel: (46) 3225-6000 - secretaria@paroquiasaopedropb.com.br

Horários: Seg a Sex: 8h às 11h30 e das 13h30 às 17h30, Sáb: 8h às 11h30.

Artigos › 28/01/2019

Combater as barbáries deve ser uma prioridade de todos os cidadãos

É inadiável combater as barbáries que desfiguram o Brasil. Esse é o caminho para corrigir os descompassos políticos, sociais e familiares que têm produzido inseguranças e clara perda de rumos. Essa deve ser a prioridade de todos os cidadãos e instituições, pois permanecer indiferente a esses cenários traz grave consequência: a assimilação passiva de dinâmicas perversas, que fazem o cidadão se acostumar com situações horrendas, naturalizando-as de forma venenosa. Numa perigosa dinâmica, passa-se a repetir comportamentos abomináveis, compulsivamente, perpetuando-os. Agir com rigor no combate a situações desoladoras é, assim, um necessário cuidado para não se deixar contaminar pelo terrível processo de delinquência, que devasta a sociedade.

Superar a indiferença deve ser o ponto de partida para enfrentar este “vale tudo” que se vive na atualidade, em que se age segundo os próprios interesses, desconsiderando nobres valores. Sacrificam-se vidas, subjetivismos são impostos como hegemonia. Patrimônios inegociáveis são trocados pelo dinheiro. O desrespeito ao bem comum se torna regra, com apropriações indébitas do erário, arquitetadas por diabólicos esquemas de corrupção e favorecimentos. A trágica violência, que compromete o direito de ir e vir, levando segmentos da população ao extermínio, é uma das mais graves consequências da indiferença. A sociedade precisa acordar. Cada cidadão assuma o desafio de investir em uma nova civilização, marcada por qualificados modos de relacionamento.

Sem esse investimento não adianta mudar a composição de instituições políticas, pois a governabilidade estará sempre comprometida. Faltará a lucidez imprescindível aos entendimentos, fundamentais para conduzir o Brasil rumo a uma realidade promissora. Não basta apenas investir em segurança pública ou defender propostas inconsistentes, a exemplo da concessão do direito legal ao porte de arma. O fundamental para a sociedade brasileira é que haja profunda revolução cultural no sentido de recuperar valores e princípios que sustentam o altruísmo, a solidariedade e o compromisso com o bem comum.

Todos têm responsabilidade na construção de rumos novos, pois a tarefa é grande, requer empenho diário e tempo – a transformação almejada demandará décadas para se efetivar. Mas sem buscar essa profunda mudança, continuarão a se multiplicar situações de barbárie, a exemplo dos feminicídios e do extermínio de índios, abominação motivada por interesses gananciosos, além das muitas outras tragédias diárias. Ocorrências que revelam o descompasso moral e emocional dos cidadãos não só pela crueldade que as envolvem, mas pela indiferença com que são percebidas pela sociedade. Com urgência, é preciso reconhecer: há uma infinidade de barbáries que vão moldando a sociedade. Um fenômeno cruel que configura a interioridade de crianças e jovens, deseducando-os no sentido de desqualificar valores e princípios imprescindíveis ao exercício da cidadania.

As reações frente a esse cenário são urgentes e demandam amplo envolvimento que vão além de ideologias partidárias, de interesses particulares, para tornarem-se força efetiva de mudança. O que fazer? Por onde começar? O ponto de partida é tomar consciência da dinâmica que envolve o mundo na contemporaneidade. Convive-se com uma avalanche de informações irrelevantes e, ao mesmo tempo, falta lucidez às pessoas. Consequentemente, gastam-se energias e investimentos com processos que contam pouco e não deveriam ser prioridade.

A avalanche de informações, muitas vezes, gera confusão e acaba causando o que pode ser chamado de ditadura da opinião própria. Esse fenômeno, que se generaliza, é caracterizado por pessoas e grupos que emitem juízos precipitadamente, a partir de interpretações equivocadas, perpetuando o caos e alimentando a barbárie. Para reverter esse quadro, deve-se cultivar a humildade: sabe-se menos do que se pensa que sabe.

Não se pode mais impor perspectivas sob o efeito de um saber ilusório, em um mundo que se torna cada vez mais complexo. Perceber essa indomável complexidade permite enxergar as próprias limitações com humildade, o que favorece o diálogo e, consequentemente, novos passos civilizatórios. A força do diálogo e o inegociável respeito às pessoas são fundamentais para enfrentar as barbáries. Qualificar-se para dialogar e interagir, percebendo os próprios limites, é conduta indispensável e coerente com a moralidade, a espiritualidade e autênticas relações fraternas.

Por Dom Walmor Oliveira de Azevedo, via Canção Nova

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *